Com aprovação da AFA, Superliga é criada na Argentina

Foto: tn.com.ar
Foto: tn.com.ar

Houve uma mobilização no Brasil para que a CBF tivesse menor poder sobre as competições nacionais e fosse criada uma Liga, organizada pelos próprios clubes. Foi formado o “Bom Senso Futebol Clube”, criado por ex-jogadores para liderarem esta ideia, mas que não ganhou força e acabou recentemente.

Porém, nesta quarta-feira, 13, na Argentina, a AFA (Federação de Futebol da Argentina) aprovou a criação da Superliga, em reunião realizada com os presidentes e representes dos clubes. Dos 71 representantes da reunião, 70 foram favoráveis à criação da Superliga. Com isto, A AFA perde a hierarquia sobre a primeira e a segunda divisão nacional, já que agora, os clubes tem maior autonomia. A AFA será responsável integralmente pelas divisões inferiores das competições nacionais.

A Superliga Argentina começa já no próximo dia 19 de agosto, e seguirá até maio de 2017. Com 30 clubes na disputa, a competição terá 4 rebaixados e apenas dois acessos, até que se tenha um número de 20 equipes para a disputa de 2020.

Também haverá punições aos clubes que forem inadimplentes na competição.  Caso as dívidas permaneçam e cresçam para a temporada seguinte, o clube devedor não poderá realizar contratações. Outra mudança na competição é em relação à divisão da arrecadação. Como a empresa “Futebol Para Todos”, que detém os direitos de transmissões dos jogos renovou contrato com a AFA até 2019, os clubes decidiram que o caixa não pertencerá mais a AFA. A divisão será de 78% à Primeira Divisão,  12% para a Segunda Divisão e 8% para as demais divisões do país. Os outros 2% serão destinados à organização do campeonato. Nos anos seguintes à criação da Superliga, a divisão das finanças será realizada de acordo com o posicionamento de cada clube no campeonato anterior.