Festa do “Dia do Trabalhador” tem protestos contra João Dória (PSDB)

(Foto: Tahiane Stochero/G1)
(Foto: Tahiane Stochero/G1)

A Força Sindical reuniu mais de 150 mil pessoas, na Praça Campos de Bagatele, na Zona Norte de São Paulo para comemorar o “Dia do Trabalhador”. Desde a manhã, o público acompanhou discursos de políticos e sindicalistas e shows de cantores sertanejos. O evento tem na programação artistas como Michel Teló, Zezé Di Camargo e Luciano e Bruno e Marrone.

O evento foi marcado por críticas ao João Doria (PSDB), que na sexta-feira (28) chamou grevistas de “vagabundos” durante uma paralisação de diversas categorias contra as reformas trabalhista e da Previdência.

O deputado federal Paulinho da Força, (SD-SP), presidente da entidade, elogiou a unidade das centrais sindicais “de forma meio inédita” contra as reformas propostas pelo governo do presidente Michel Temer.

“A paralisação de sexta mostrou a força do movimento. Continuamos buscando a negociação, queremos um diálogo civilizado, queremos que o governo sente para negociar e queremos mudar a reforma da Previdência. Eles querem enfiar guela abaixo dos trabalhadores uma reforma que a gente não aceita. Eles têm que entender que tem que dialogar com a população para fazer uma reforma justa e civilizada”, afirmou Paulinho da Força.

O deputado disse, ainda, que a as entidades sindicais entendem que é preciso fazer mudanças para tirar o Brasil da crise.

“Só que estamos insatisfeitos que as mudanças têm sido feitas só em cima dos trabalhadores. A crise é grande e tem que ser repartida entre todo o Brasil”, disse Paulinho da Força.